terça-feira, março 21, 2006

Março, 21 - Dia Mundial da Poesia

Hoje é o dia deles, de TODOS eles, da Sophia, do Pessoa, da Natália, do Eugénio, do Ary, do Almada, e de tantos e tantos outros...
que iluminam a nossa existência com as suas palavras,
que me acompanham em tantas horas
tristes e felizes,
de saudade e de euforia,
de dor e de alegria.

Hoje é o Dia Mundial da Poesia.

Viva a poesia! Viva a poesia!



Deixo aqui alguns poemas, para marcar a data.




Poema XVIII

Impetuoso, o teu corpo é como um rio
onde o meu se perde.
Se escuto, só oiço o teu rumor.
De mim, nem o sinal mais breve.

Imagem dos gestos que tracei,
irrompe puro e completo.
Por isso, rio foi o nome que lhe dei.
E nele o céu fica mais perto.

Eugénio de Andrade



Mas que sei eu

Mas que sei eu das folhas no outono
ao vento vorazmente arremessadas
quando eu passo pelas madrugadas
tal como passaria qualquer dono?

Eu sei que é vão o vento e lento o sono
e acabam coisas mal principiadas
no ínvio precipício das geadas
que pressinto no meu fundo abandono

Nenhum súbito súbdito lamenta
a dor de assim passar que me atormenta
e me ergue no ar como outra folha

qualquer. Mas eu que sei destas manhãs?
As coisas vêm vão e são tão vãs
como este olhar que ignoro que me olha

Ruy Belo



Falas de civilização...

Falas de civilização, e de não dever ser,
Ou de não dever ser assim.
Dizes que todos sofrem, ou a maioria de todos,
Com as coisas humanas postas desta maneira,
Dizes que se fossem diferentes, sofreriam menos.
Dizes que se fossem como tu queres, seriam melhor.
Escuto sem te ouvir.
Para que te quereria eu ouvir?
Ouvindo-te nada ficaria sabendo.
Se as coisas fossem diferentes, seriam diferentes: eis tudo.
Se as coisas fossem como tu queres, seriam só como tu queres.
Ai de ti e de todos que levam a vida
A querer inventar a máquina de fazer felicidade!

Alberto Caeiro (Fernando Pessoa)





Sempre a Razão vencida foi de Amor;
Mas, porque assim o pedia o coração,
Quis Amor ser vencido da Razão.
Ora que caso pode haver maior!

Novo modo de morte e nova dor!
Estranheza de grande admiração,
Que perde suas forças a afeição,
Por que não perca a pena o seu rigor.

Pois nunca houve fraqueza no querer,
Mas antes muito mais se esforça assim
Um contrário com outro por vencer.

Mas a Razão, que a luta vence, enfim,
Não creio que é Razão; mas há-de ser
Inclinação que eu tenho contra mim.

Camões



Mal nos conhecemos

Sempre a Razão vencida foi de Amor;
Mas, porque assim o pedia o coração,
Quis Amor ser vencido da Razão.
Ora que caso pode haver maior!

Novo modo de morte e nova dor!
Estranheza de grande admiração,
Que perde suas forças a afeição,
Por que não perca a pena o seu rigor.

Pois nunca houve fraqueza no querer,
Mas antes muito mais se esforça assim
Um contrário com outro por vencer.

Mas a Razão, que a luta vence, enfim,
Não creio que é Razão; mas há-de ser
Inclinação que eu tenho contra mim.

Alexandre 0?Neill




Soneto

Fecham-se os dedos donde corre a esperança,
Toldam-se os olhos donde corre a vida.
Porquê esperar, porquê, se não se alcança
Mais do que a angústia que nos é devida?

Antes aproveitar a nossa herança
De intenções e palavras proibidas.
Antes rirmos do anjo, cuja lança
Nos expulsa da terra prometida.

Antes sofrer a raiva e o sarcasmo,
Antes o olhar que peca, a mão que rouba,
O gesto que estrangula, a voz que grita.

Antes viver do que morrer no pasmo
Do nada que nos surge e nos devora,
Do monstro que inventámos e nos fita.

Ary dos Santos




Nuvens correndo num rio

Nuvens correndo num rio
Quem sabe onde vão parar?
Fantasma do meu navio
Não corras, vai devagar!

Vais por caminhos de bruma
Que são caminhos de olvido.
Não queiras, ó meu navio,
Ser um navio perdido.

Sonhos içados ao vento
Querem estrelas varejar!
Velas do meu pensamento
Aonde me quereis levar?

Não corras, ó meu navio
Navega mais devagar,
Que nuvens correndo em rio,
Quem sabe onde vão parar?

Que este destino em que venho
É uma troça tão triste;
Um navio que não tenho
Num rio que não existe

Natália Correia




Que nenhuma estrela queime o teu perfil

Que nenhuma estrela queime o teu perfil
Que nenhum deus se lembre do teu nome
Que nem o vento passe onde tu passas.

Para ti criarei um dia puro
Livre como o vento e repetido
Como o florir das ondas ordenadas.

Sophia de Mello Breyner Andresen

7 Comments:

Blogger relampago said...

uff...um brinde a esta magnifica escolha.....


(e depois eu é que sou poeta?!!!)

hum hum


enormérrimo beijo oh delator :) da Poesia....e boa noite. Amei!

terça-feira, março 21, 2006 10:21:00 da tarde  
Blogger Maria Pedro said...

Xiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiii! Não soube do dia da poesia! Pode ser todos os dias...?

quarta-feira, março 22, 2006 1:09:00 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Viva a poesia e Viva os POETAS.
Viva todos os que enunciou e aqueles desconhecidos mas de excelência também. Viva os poetas anónimos, aqueles que não existindo..existem!

Cumprimentos

quarta-feira, março 22, 2006 7:15:00 da tarde  
Blogger O Micróbio II said...

Hoje o Micróbio faz anos... :-)

quarta-feira, março 22, 2006 9:44:00 da tarde  
Blogger Eva said...

Bonita dedicatória! Pena que so tenha visto hoje!

sexta-feira, março 24, 2006 12:41:00 da tarde  
Blogger A.J.Faria said...

Olá, Pedro!
Obrigado pela colectanea de poemas que nos deixaste!
Um grande abraço,

sábado, março 25, 2006 10:37:00 da tarde  
Blogger relampago said...

beijo Pedro. enorme.

segunda-feira, março 27, 2006 4:29:00 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home